quinta-feira, 14 de julho de 2016

Pensamento: Sempre aqui.



Quando fecho os olhos ainda sinto seu toque, seu cheiro, sua mão acariciando meu rosto, seus beijos… Mas também me vem as lágrimas. Você se foi, me deixou. Faz pouco tempo, e já consigo sentir sua falta.

Na verdade, senti sua falta no último suspiro teu, sussurrando “te amo” ao meu lado. É incrível como um milésimo de segundo pode alterar o percurso da vida…
Ethan e eu saímos de um bar dando gargalhadas ao lembrar do nosso primeiro encontro.

Éramos crianças, mas nosso sentimento era único. Nossas famílias comemoravam natal, ano novo e outras festividades juntas. Fomos noivinhos da festa junina do bairro aos 6 anos, onde aconteceu o beijos mais estranho e desconfortável na frente da família; mas esse beijo carregava a certeza do nosso amor.
Vieram as desavenças, as brigas, nossa como brigávamos! Depois começaram as provocações - eram a melhor parte - e seguiu essa rotina até a adolescência. Sabem quando você gosta de uma pessoa, tem sentimentos fortes por ela, mas não dá o braço a torcer? Então, Ethan e eu éramos assim. Amávamos um ao outro só que nenhum dos dois tinha coragem de assumir o que sentia.

Aos 16 anos, no ensino médio, mudei de cidade com meus pais. Os amigos mais próximos da família foram se despedir. Esse dia foi maravilhoso e agradável. Recebi o carinho e motivação dos amigos nessa mudança, mas o que meu surpreendeu nesse dia foi Ethan.

Ele me presenteou com uma pulseira grossa de prata com um único pingente. O infinito. Nós conversávamos, brigávamos, provocávamos um ao outro, o que muitas vezes me deixavam em dúvida sobre nossa relação. Mas aquele seu gesto me surpreendeu. Ethan segurou minha mão com a palma para cima e colocou a pulseira gelada no centro dela. Fechou meus dedos enquanto olhava em meus olhos e disse:

- Mesmo que nossos caminhos estejam tomando direções diferentes, lá na frente irão se encontrar nessas estradas e a partir desse ponto vamos construir um único caminho para os dois. Me espera, eu vou te achar.

Ele beijou os nós dos dedos e me deu as costas, indo embora.
Não consegui me mexer, nem pronunciar um “até mais”. Só segurava com firmeza a pulseira com um sorriso bobo no rosto, de esperança. Mesmo passando alguns anos, nunca esqueci da sua promessa e a prova dela estava visível no meu pulso. E Ethan cumpriu sua palavra.

Na tarde mais movimentada da cafeteria onde eu trabalhava para ajudar com as despesas da faculdade, lá está ele.
Muito diferente do que lembrava. Não era mais aquele menino alto e magrelo que eu adorava atormentar. Agora era um homem bonito, grande, forte e elegante, mas que mantinha o olhar que me lembrava nossos 6 anos.
Ele me encontrou.

Hoje, olho para o meu braço com a pulseira agora repleta de pingentes. Um deles é de flor, lembrança de um piquenique mal elaborado que terminou em água. Outro no formato de patinha, o primeiro animal (um gato) que compramos juntos, começando a aumentar a família. Escondido entre tantos outros, lá está o que deu início, a esperança para tudo, o nosso infinito.

Agora acabou. Nosso infinito encontrou um fim com um caminhoneiro invadindo nossa pista, levando o lado direito do carro. Ele se foi.
Será que se tivéssemos ido no mercado comprar leite, sei lá, ou prolongado nosso beijos na ruas ou então parado para observar quão linda estava a noite, esses milésimos de segundos teriam feito a diferença no nosso caminho? Ethan ainda estaria aqui, eu não estaria no hospital.

Estaríamos em casa, juntos, comemorando o início de uma nova vida, aumentando a família como ele tanto queria.
Encarei novamente o pingente do infinito.

- Você cumpriu sua promessa, né? Me achou. E mesmo indo embora, você deixou uma parte sua para mim, em mim, para que eu não desista de construir nosso caminho juntos.

Começo a sorrir, o sorriso se transforma em riso e na parte de baixo dos olhos começam a acumular lágrimas, enquanto acaricio minha barriga. Ethan está aqui, está comigo. A prova disso são os exames largados na cabeceira da cama, com a imagem de um minusculo pontinho, mostrando uma parte dele ainda aqui. O caminho pode ser outro, mas a motivação continua sendo a mesma.

- Você estará sempre comigo construindo nosso caminho para o infinito, Ethan.


Nenhum comentário:

Postar um comentário